HORA MUNDIAL (Clique sobre o local desejado para visualizar)

domingo, 9 de maio de 2010

COMO FUNCIONAM AS AÇÕES E O MERCADO ACIONÁRIO

(Fachada da Bolsa de Valores de Nova York)

O que é uma ação? O que é um mercado de ações? Por que precisamos de um mercado de ações? Para começar, de onde vêm as ações e por que as pessoas querem comprá-las e vendê-las?

DETERMINANDO O VALOR
Digamos que você decide abrir um restaurante. Você compra o prédio, o equipamento de cozinha, mesas e cadeiras, suprimentos, contrata os cozinheiros, garçons etc. Depois divulga o restaurante e abre as portas.

Digamos que:

* você gasta US$ 500 mil comprando o prédio e os equipamentos;
* no primeiro ano, você gasta US$ 250 mil em guarnições, comida e folha de pagamento;
* no final desse primeiro ano, você soma todo o dinheiro que recebeu dos clientes e descobre que totalizou uma receita de US$ 300 mil.

Uma vez que recebeu US$ 300 mil e pagou US$ 250 mil em despesas, seu lucro líquido é:

US$ 300 mil (receita) - US$ 250 mil (despesa) = US$ 50 mil (lucro)

Ao final do segundo ano, você recebe US$ 325 mil e suas despesas são as mesmas, com um lucro líquido de US$ 75 mil. Nesse ponto, você decide que quer vender o negócio. Quanto ele vale?

Uma das maneiras de se avaliar é dizer que o negócio "vale" US$ 500 mil. Se você fechar o restaurante, pode vender o prédio, o equipamento e tudo o mais e receber US$ 500 mil. Essa é uma simplificação, é claro: o prédio provavelmente subiu de valor e o equipamento depreciou, pois agora está usado. Vamos dizer apenas que o valor gira em torno dos US$ 500 mil. Este é o valor patrimonial, ou valor de mercado, do negócio. Isso é o valor de todo o ativo do empreendimento se você liquidá-lo hoje.

O que acontece se você continuar o negócio?



VENDENDO AÇÕES

Se você mantiver o seu restaurante funcionando, provavelmente acumulará pelo menos US$ 75 mil neste ano (baseado no histórico do seu negócio). Portanto, você pode considerar o restaurante como um investimento que pagará algo em torno de US$ 75 mil de lucro ao ano. Olhando dessa maneira, alguém poderia querer pagar US$ 750 mil pelo restaurante, já que um retorno anual de US$ 75 mil em um investimento de US$ 750 mil representa uma taxa de retorno de 10%. Alguém poderia querer pagar US$ 1.500.000, o que representa uma taxa de retorno de 5%. Ou até mais, se ele imaginou que a receita do restaurante poderia crescer ao longo do tempo a uma taxa maior do que a inflação.

Portanto, o proprietário do restaurante irá ajustar o preço de forma compatível. Você pode avaliar o negócio em US$ 1.500.000. No entanto, se dez pessoas vierem até você e disserem: "Puxa, eu gostaria de comprar seu restaurante, mas não tenho os US$ 1.500.000", você poderia de alguma forma querer dividir seu negócio em 10 partes iguais e vender cada uma por US$ 150 mil. Em outras palavras, você poderia vender cotas do seu restaurante. Então, cada pessoa que comprou uma cota receberia um décimo dos lucros ao final do ano e teria um dos dez votos em qualquer das decisões financeiras da empresa. Ou então você poderia dividir a propriedade em 1.500 cotas e vender cada uma por US$ 1.000, para ter um preço que mais pessoas pudessem pagar. Outra alternativa seria dividir a propriedade em 3 mil cotas, manter 1.500 com você e vender o restante por US$ 500 cada. Dessa forma, você retêm a maioridade das cotas (e, conseqüentemente, os votos) e permanece no controle do restaurante, enquanto compartilha o lucro com outras pessoas. Enquanto isso, você consegue depositar US$ 750 mil no banco graças às vendas das 1.500 cotas a outras pessoas.

As ações, em sua essência, são realmente muito simples. Elas representam o patrimônio e os lucros da empresa. Os dividendos de uma ação representam a porção da cota dos lucros de uma empresa, geralmente distribuídos anualmente. Se o restaurante tiver dez proprietários, cada um possuindo uma cota acionária, e o negócio acumular US$ 75 mil de lucro durante o ano, então cada proprietário recebe um dividendo de US$ 7.500. Uma grande companhia como a IBM tem milhões de cotas acionárias excedentes, em torno de 1,7 bilhões em fevereiro de 2004 (veja Quicken: International Business Machines (em inglês) para mais detalhes). Neste caso, os lucros totais da companhia são divididos por 1,7 bilhões e enviados aos acionistas como dividendos.

Uma medida do valor de uma empresa, pelo menos no que diz respeito aos investidores, é o produto do número de cotas excedentes multiplicados pelo preço da ação. Este valor é chamado capitalização de uma empresa. 

A BOLSA DE VALORES

Se eu sou uma pessoa física que possui um restaurante e quero vender ações do meu negócio a outras pessoas físicas, posso divulgar isso boca-a-boca ou colocando um anúncio no jornal. Isso torna a venda das ações mais fácil para mim. Entretanto, cria um problema para os investidores que querem, mais tarde, vender as ações do meu restaurante. Eles têm que sair e encontrar um comprador, o que pode ser difícil. Um "mercado de ações" resolve este problema.

Os títulos de empresas publicamente negociadas são comprados e vendidos em um mercado de ações (também conhecido por bolsa de valores). Um exemplo é a Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE) (em inglês). No Brasil, a sede para essas negociações é a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Para entender melhor, pense no seguinte: em sua vizinhança, você tem um "supermercado" que vende comida. A razão pela qual você vai ao supermercado é porque você pode ir a um lugar e comprar todos os diferentes tipos de alimento de que você precisa em um só lugar. É muito mais conveniente do que ir até o açougueiro, o leiteiro, o padeiro, etc. A NYSE é um supermercado de ações. Ela pode ser comparada a uma grande sala onde todo mundo pode negociar, comprando e vendendo cotas acionárias.

A bolsa de valores facilita a compra e a venda. Você não tem que realmente viajar até Nova Iorque para visitar a NYSE. Você pode ligar para um corretor da bolsa de valores. Ele negocia com a NYSE e vai lá, em seu lugar, para comprar e vender suas ações. Se a bolsa não existisse, a compra e venda de ações seria muito mais difícil. Você teria que publicar um anúncio nos classificados do jornal, aguardar uma ligação e negociar um preço sempre que quisesse vender ações. Com a bolsa, você pode comprar e vender títulos instantaneamente.

A bolsa de valores tem um interessante "efeito colateral". Como toda compra e venda é feita em um único lugar, isso permite que o preço de uma ação possa ser conhecido a cada segundo do dia. Portanto, investidores podem observar a flutuação do preço de uma ação baseando-se nas notícias da empresa, reportagens da mídia, informações econômicas e muitos outros fatores. Vendedores e compradores levam todos esses fatores em consideração. Por exemplo, quando a FAA - Administração Federal de Aviação dos EUA (em inglês) - fechou a companhia ValuJet por um mês, em junho de 1996, o valor das ações despencou. Os investidores não tinham certeza de que a companhia aérea representava uma empresa operante e começaram a vender os títulos, levando o preço para baixo. O valor patrimonial da empresa atuou como patamar para o preço da ação.

O preço dos títulos também reflete os dividendos pagos, os ganhos projetados da empresa no futuro, o preço do chá na China (especialmente a ação Lipton) e assim por diante.

CORPORAÇÕES
Qualquer negócio que pretende vender ações para diferentes pessoas tem que se tornar uma sociedade anônima, ou seja, uma empresa de capital aberto. A operação de mudança de uma sociedade limitada para uma sociedade anônima é chamado de transformação.

Se você abrir um restaurante usando seu dinheiro para comprar o prédio e equipamentos, o que você fez foi formar uma propriedade exclusiva. O restaurante todo é seu, você pode tomar todas as decisões e ficar com todo o lucro. Se três pessoas juntarem dinheiro e abrirem um restaurante juntas, elas formarão uma sociedade. As três pessoas são proprietárias do restaurante, compartilhando os lucros e a tomada de decisões.

A organização é diferente, e é um conceito bem interessante. Ela pode ser comparada a uma "pessoa virtual". Quer dizer, a empresa é registrada no governo, tem um cadastro (conhecido no Brasil como CNPJ), pode ter propriedades, mover processos contra pessoas, ser processada e fazer contratos. Por definição, a organização tem ações que podem ser compradas e vendidas. Todos os sócios detêm cotas de participação nessa organização para representar sua propriedade. Uma interessante característica dessa "pessoa virtual" é que ela tem uma expectativa de vida indeterminada e potencialmente infinita.

Existe toda uma legislação que controla esse tipo de sociedade. As leis estão vigentes para proteger os acionistas e o público. Essas leis controlam uma série de fatores sobre como a empresa opera e organiza-se. Por exemplo, cada uma tem uma diretoria (se todas as ações são possuídas por uma única pessoa, então ela pode decidir, por exemplo, que haverá apenas um membro na diretoria). Os acionistas se reúnem a cada ano para votar nos diretores, que tomarão as principais decisões pela empresa. Eles contratam os administradores (o presidente e outros principais administradores da empresa), tomam as decisões e definem os planos de ação. A diretoria pode ser considerada o cérebro da pessoa virtual.


ACIONISTAS
Por esta descrição, você pode ver que uma empresa tem um grupo de proprietários, os acionistas. Os acionistas elegem um quadro de diretores para tomar as decisões principais da companhia. As pessoas se tornam proprietárias quando compram cotas acionárias. A diretoria decide qual será a quantidade total das cotas. Por exemplo, uma empresa poderia ter um milhão de cotas acionárias. A companhia pode ser uma empresa de capital fechado ou de capital aberto. Numa companhia fechada, as cotas acionárias são posse de um pequeno número de pessoas, que provavelmente conhecem umas às outras. Elas compram e vendem suas ações entre si. Em uma empresa de capital aberto, milhares de pessoas são proprietários da companhia e negociam suas ações numa bolsa pública de valores.

Uma das grandes razões pelas quais as corporações existem é criar uma estrutura para captar muito dinheiro de investimentos para um negócio. Digamos que você quisesse abrir sua própria companhia aérea. Muitas pessoas não podem fazer isso, porque um avião custa milhões de dólares. Uma companhia aérea necessita de toda uma frota de aviões e outros equipamentos, além de ter que contratar muitos empregados. Quem quiser iniciar um empreendimento desse tipo irá, portanto, formar uma organização e vender ações para captar o dinheiro necessário para começar.

Essa é uma maneira fácil de juntar grandes quantidades de capital de investimento - dinheiro de investidores. Quando uma organização vende primeiro as ações ao público, faz isso através de uma oferta pública inicial. A empresa poderia vender um milhão de cotas acionárias a US$ 20 por ação para levantar US$ 20 milhões rapidamente (essa é uma simplificação: a corretora a cargo do oferta pública inicial irá cobrar sua comissão dos US$ 20 milhões, mas vamos deixar isso de lado). Então, a empresa investe os US$ 20 milhões em equipamento e empregados. Os investidores (os acionistas que compraram os US$ 20 milhões em ações) esperam que, com o equipamento e empregados, a empresa irá lucrar e pagar os dividendos.

Outra razão para a existência das corporações é limitar a responsabilidade dos proprietários. Se a empresa for processada, é ela que paga a liquidação do processo. A organização pode sair do negócio, mas isso é o pior que pode acontecer. Se você for um proprietário individual que possui um restaurante e o restaurante for processado, você é quem estará sendo processado. "Você" e "o restaurante" são a mesma coisa. Se você perder a causa, poderá perder tudo o que tem por causa do processo.


PREÇO DAS AÇÕES
Digamos que uma nova organização seja criada e em sua oferta pública incial, ela levante US$ 20 milhões, vendendo um milhão de cotas por US$ 20 a cota. A companhia compra o equipamento e contrata seus empregados com aquele dinheiro. No primeiro ano, quando toda a receita e despesas são somadas, a companhia lucra US$ 1 milhão. A diretoria pode decidir fazer várias coisas com esse US$ 1 milhão:

* pode colocá-lo no banco e poupar para os tempos difíceis;
* pode decidir dar todo o lucro aos acionistas. Assim, declararia um dividendo de US$ 1 por cota;
* usar o dinheiro para comprar mais equipamentos e contratar mais empregados, expandindo a companhia;
* pode escolher uma combinação dessas três opções.

Se uma empresa tradicionalmente paga a maioria dos seus lucros aos seus acionistas, isso é geralmente conhecido como ação de rendimento. Os acionistas recebem sua renda dos lucros de uma empresa. Se uma empresa investe a maior parte do seu dinheiro de volta no negócio, isso é chamado de ação de valorização. A companhia está tentando crescer pelo aumento da quantidade de equipamentos e o número de pessoas que a conduzem.


ÍNDICE DAS AÇÕES
Todos os dias nos noticiários você ouve a respeito do Dow Jones e, no caso brasileiro, índice Bovespa e, em outros noticiários especializado, outros índices, como o S&P 500 ou o Russell 2000. Esses são índices extensivos de mercado projetados para informá-lo como as empresas de capital aberto estão indo no mercado de ações em geral. Por exemplo, o Dow Jones (em inglês) é simplesmente o valor médio de 30 grandes ações industriais. Grandes companhias como General Motors, Goodyear, IBM e Exxon são as companhias que compõem esse índice. O S&P 500 (em inglês) é o valor médio de 500 grandes companhias. Já o índice Russel 2000 (em inglês) calcula o valor médio de duas mil companhias menores. Na Bovespa, há dez índices diferentes. O principal, aquele que ouvimos durante o noticiário, é o índice Bovespa, que corresponde às ações que movimentam 80% dos negócios diários da bolsa de valores paulistana.

O que esses índices informam é a situação geral do preço de uma ação. Se a economia está indo bem, então os preços das ações como um conjunto tendem a subir, o que é denominado um "mercado em alta" (bull market). Se vai mal, os preços tendem a cair conjuntamente, o que é chamado um "mercado em baixa" (bear market). Os índices revelam estas tendências no mercado como um todo.


BOLSAS E CORRETORES DE VALOR
Há três grandes bolsas de valores nos Estados Unidos:

* NYSE - New York Stock Exchange (Bolsa de Valores de Nova Iorque);
* AMEX - American Stock Exchange (Bolsa de Valores Americana);
* NASDAQ - National Association of Securities Dealers Automated, que é uma bolsa de valores sem corretores.

A empresa põe suas ações em uma bolsa de valores. Por exemplo, a NYSE tem aproximadamente 3 mil companhias relacionadas.

Qualquer um que quiser comprar ou vender ações a qualquer uma dessas companhias vai até a Bolsa de Valores de Nova Iorque. Ninguém, claro, vai querer voar até Nova Iorque só para vender e comprar suas cotas. Então, chama-se um corretor de uma firma autorizada a negociar numa bolsa de valores. Existem várias dessas corretoras de valores, inclusive nomes conhecidos como Merrill Lynch (em inglês), Charles Schwab (em inglês) e Morgan Stanley (em inglês). Quando você convoca um corretor de uma destas empresas, ele estabelece seu negócio no patamar apropriado da bolsa e um representante da empresa (ou, mais comumente, um computador representando a empresa) faz a negociação. Você paga ao corretor uma comissão (geralmente US$ 10 a US$ 100 por negociação, dependendo do corretor). Atualmente, você pode também negociar ações online.

Ações que não estão listadas na Bolsa de Valores são vendidas no mercado de balcão (OTC). As ações do OTC são geralmente de empresas menores, de maior risco. Geralmente uma ação OTC é de uma empresa que não cumpre com os requisitos de uma bolsa de valores.

A Bolsa de Valores de São Paulo é o único centro de negociação de ações do Brasil e se destaca como a maior Bolsa de Valores da América Latina, concentrando cerca de 70% do volume de negócios da região.

0 comentários:

Postar um comentário